Título
Allen Ginsberg. Poemas

Gênero
Poesia

Autor
Allen Ginsberg. Tradução de Cesar Kiraly

Capa e ilustrações
Helton Solto

Páginas
118

Descrição
“pra quê mais ginsberg? pra quem mais ginsberg? ora, pra todos. pros poetas, é claro, que já estão lá atrás do sumo que mais importa nessa clareira da linguagem; mas é pra todos, sobretudo para os piores adictos” (Guilherme Gontijo Flores – prefácio a Allen Ginsberg: poemas)

Em agosto de 2014, foi publicada uma edição do Caderno-revista 7faces em homenagem a Allen Ginsberg, um dos nomes que melhor representam a chamada Beat Generation, movimento que, da parceria entre o poeta e Jack Kerouac, William Burroughs e muitos outros, ficou conhecido por introduzir na cena literária e cultural estadunidense uma série de rupturas – desde a linguagem às formas de rebelar-se contra o status quo social capitalista.

Nesse ínterim, as consequências impactantes que obras como Howl and other poems causaram entre os leitores de seu tempo somam-se às da formação de outros lugares ideológicos e de reivindicação político-social com temas, muitas vezes, bem à frente de seu tempo. É costume dizer que à Beat Generation – entre outros movimentos estético-culturais – devemos grande parte da chama que ainda resta acesa entre nós do chamado espírito rebelde, calcado no apagamento das dicotomias tão alimentadas pelo Ocidente.

Allen Ginsberg: poemas é uma antologia organizada por Cesar Kiraly cuja importância se exibe desde a base de criação de um número do Caderno-revista 7faces sobre a obra poética do estadunidense. Ela expressa algumas das peças que assinalam o rico trabalho de Ginsberg no campo da poesia e é uma amostra significativa para algumas dessas novas apostas encetadas pelos da sua geração: a liberdade criativa, a irreverência, a ironia, a relação direta entre o poético com as vivências, a exposição plena do corpo e das sexualidades subjugadas pelo status quo, a fuga do lugar-comum do bom-mocismo da sociedade, o revés do espírito hipócrita, a quebra das polarizações extremas num ambiente político marcado por um e outro grupo somente, a abertura de perspectivas outras sobre a relação com aspectos concernentes a existência – a relação com o outro, o amor, a morte etc. –, a saída definitiva de um universo de abstração formal para cantar a existência em seu pleno vigor, enfim, há aí uma pequena dose de tudo isso. Um mosaico, portanto, multifacetado de um poeta, de sua obra e do seu tempo. Ou uma porta de entrada no mundo-Ginsberg.

As traduções são também de Cesar Kiraly, quem recolheu poemas desde o mais famoso livro de Allen Ginsberg, Howl, a outros títulos, como KaddishReality SandwichesThe Fall of America e Mind Breaths. É, portanto, outro ponto de um projeto cujas primeiras peças deu forma e foram apresentadas na edição 9 do Caderno-revista 7faces e ampliou-se com a leitura pública realizada no Rio de Janeiro no mesmo ano de 2014. Durante pelo menos dois anos o tradutor andou burilando esses versos enfeixados pela apresentação de Guilherme Gontijo Flores e a construção imagética de Helton Solto, quem projetou o conjunto de ilustrações que integram a presente edição. Um rito à altura do que significa a obra literária de Ginsberg.